Notícias

Inverno inicia oficialmente nesta segunda-feira (21)

O inverno no Hemisfério Sul começa no dia 21 de junho às 00h32 e terminará no dia 22 de setembro às 16h21 (horário de Brasília)

O inverno no Hemisfério Sul começa no dia 21 de junho às 00h32 e terminará no dia 22 de setembro às 16h21 (horário de Brasília). O inverno é uma estação em que ocorre uma queda pontual das temperaturas, assim como a diminuição do volume de chuvas e da umidade relativa do ar.

Conforme as projeções do Instituto Nacional de Metereologia (Inmet), com a neutralização de atuação do La Niña, o Inmet projetou como deve ficar a estação nas diferentes regiões do país. O fenômeno tem uma probabilidade de 75% de manutenção da fase de neutralidade durante o inverno, reduzindo as chances para 50%, durante a primavera/2021.

Comportamento Histórico Registrado Nas Chuvas
Para os meses de Julho, Agosto e Setembro as chuvas voltam a ter uma melhor distribuição na parcela central do país, no entanto esta maior regularidade acontece comumente no mês de Setembro dada a proximidade com a primavera. Considerando também que estamos em uma condição de neutralidade do fenômeno El-Niño, as chuvas também tendem a ficar dentro dos valores esperados para o período, exceto no RS, interior paulista e oeste do MS, como podemos ver nas cores em vermelho no mapa à direita. Já nas demais regiões esta tendência é de chuvas dentro da normalidade  e de chuvas acima da média.

Comportamento esperado no oceano.
A previsão da temperatura da superfície do mar indica que o Pacífico tropical atualmente está em sua fase de neutralidade e permanecerá assim durante todo o inverno. Um pequeno conjunto de modelos sugere um ressurgimento das temperaturas do oceano mais frias perto do final de 2021, sendo frias o suficiente para atingir o limite da condição La Niña. Porém, essas águas mais frias não vão permanecer por tempo suficiente para constituir um segundo evento La Niña.

Reflexo nas Chuvas
As previsões para as chuvas neste inverno de 2021 apontam para chuvas abaixo da média em praticamente toda a metade sul da América do Sul. Essas previsões de chuvas abaixo da média valem para o sul da Bolívia, Paraguai, Chile e quase toda a Argentina. Aqui no Brasil, a tendência para o trimestre mostra que as chuvas ficarão abaixo da média em parte do interior nordestino entre o MA e PI, sul de MG,  SP, MS, sul do MT de GO e nos três estados da região sul. Além disso, na região norte do país a tendência para este inverno aponta para chuvas acima da média histórica.

Sobre as temperaturas
As temperaturas ficarão abaixo da média na região norte, sendo um indicativo da maior presença das chuvas. Na faixa leste, entre o sudeste e sul, também há indicativos para que as temperaturas fiquem abaixo da média esperada, que será um reflexo de uma maior frequência de dias nublados, mas não necessariamente dias chuvosos. Já na parcela central do país a previsão segue com temperaturas acima da média do período. No entanto, como terá uma menor frequência de chuvas, pode-se esperar dias com grandes amplitudes térmicas, ou seja, uma grande diferença entre as temperaturas do amanhecer com as temperaturas do período da tarde, sendo este comportamento também esperado na faixa oeste da região sul do país.

Veja abaixo a previsão para todas regiões do Brasil

Região Norte

Para a Região Norte, a previsão climática indica maior probabilidade que as chuvas ocorram ligeiramente acima da média climatológica sobre o norte da região, principalmente sobre os estados de Roraima e Amapá. Nas demais áreas, existe uma tendência de as chuvas ficarem próximas e abaixo da média, principalmente no sul da região amazônica, onde normalmente chove abaixo de 300 mm nos meses de julho a setembro. A temperatura média do ar nos próximos meses deve permanecer acima da média. Ressalta-se que, as condições de falta de chuvas, alta temperatura e baixa umidade relativa do ar, favorecem a incidência de queimadas e incêndios florestais, muito comuns na metade do inverno e início da primavera. Por outro lado, isto não descarta a ocorrência de eventuais episódios de friagens no sul desta região, devido à passagem de massas de ar frio mais continentais.

Região Nordeste

A previsão do modelo estatístico para a Região Nordeste indica o predomínio de áreas com maior probabilidade de chuvas próximas a climatologia durante esta estação, principalmente no interior da região, onde os próximos meses corresponde ao período seco da região. Em algumas áreas, como o norte do Maranhão e do Ceará, leste do Rio Grande do Norte e do Paraíba, as chuvas em julho ainda poderão ocorrer ligeiramente acima da média. Em relação a temperatura, a previsão indica que este inverno haverá o predomínio de temperaturas próximas e acima da média em grande parte da região, exceto no centro-leste da Bahia, onde as temperaturas previstas podem ser ligeiramente abaixo da durante o mês de setembro.

Região Centro-Oeste

Na Região Centro-Oeste, o período seco já teve início e a tendência é de haver diminuição da umidade relativa do ar nos próximos meses, com valores diários que podem ficar abaixo de 30% e picos mínimos abaixo de 20%. Desta forma, a previsão para o inverno indica alta probabilidade de as chuvas ocorrerem dentro e abaixo da faixa climatológica em grande parte da região, exceto no centrossul do Mato Grosso do Sul, onde as chuvas deverão ser ligeiramente acima da média durante o mês de setembro. As temperaturas deverão permanecer acima da média, devido a permanência de massas de ar seco e quente, principalmente nos meses de agosto e setembro, favorecendo a ocorrência de queimadas e incêndios florestais. Em algumas localidades do leste do Mato Grosso do Sul e sul do Mato Grosso, as temperaturas poderão ser ligeiramente abaixo de seus valores climatológicos, devido à passagem de algumas massas de ar frio mais continentais.

Região Sudeste

Assim como na região Centro-Oeste, o trimestre de junho a agosto corresponde ao período mais seco da região, especialmente no norte de Minas Gerais. Deste modo, a previsão do INMET para o inverno na Região Sudeste indica que as chuvas devem permanecer próximas ou ligeiramente abaixo da média, porém não se descarta a ocorrência de chuvas próximas ao litoral da Região Sudeste no mês de julho, devido a passagem de frentes frias. No caso das temperaturas, elas devem permanecer acima da média em grande parte da região, com exceção do norte de Minas Gerais e no Espírito Santo, onde as temperaturas podem ser próximas ou ligeiramente abaixo de seus valores climatológicos.

Região Sul

O prognóstico do INMET para os meses de inverno, indica o predomínio de chuvas próximas e abaixo da média em grande parte da Região Sul. Em algumas áreas localizadas sobre o sul e leste do Rio Grande do Sul e sudeste de Santa Catarina, a tendência é de que ocorram chuvas abaixo da média, principalmente no mês de setembro. A maior frequência das frentes frias contribuirá para maiores variações nas temperaturas ao longo deste trimestre, com a previsão de temperaturas médias próximas e acima da climatologia em grande parte da Região Sul. As temperaturas médias mais elevadas estão previstas para o mês de setembro, principalmente no Paraná. Temperaturas abaixo da média são previstas para o leste de Santa Catarina e do Paraná, além do nordeste do Rio Grande do Sul, pois a incursão de massas de ar de origem polar pode provocar declínio nas temperaturas possibilitando a ocorrência de geadas em localidades, especialmente de maior altitude.

Por: AGROLINK –Aline Merladete
Publicado em 20/06/2021 às 18:15h.